A Procalcitonina (PCT) é um pró-hormônio que, em condições habituais, permanece apenas no interior de células específicas na tireóide, sendo o precursor da calcitonina, estando envolvidos na homeostase de cálcio. Em indivíduos saudáveis, os níveis de PCT no sangue ficam abaixo do limite de detecção dos ensaios clínicos (0.01 µg/L). No entanto, devido a estímulos de estresse, a PCT pode ser produzida por células fora de tireóide e é secretada no sangue periférico, podendo ser detectada como um marcador molecular importante.

Dentro os principais estímulos para a secreção da PCT no sangue, estão as infecções bacterianas. Em geral, a PCT é classificada como uma proteína de secreção de fase aguda, e serve como um forte aliado para identificação destas infecções como também para a administração de antibióticos. Sua detecção também tem sido importante para identificação de sepse e na diferenciação por exclusão de outros processos inflamatórios sistêmicos e de infecções virais. Neste caso, a detecção de PCT está sendo muito importante para o auxílio no diagnóstico de Covid-19. Segundo estudos, aproximadamente 80% dos casos em que a PCT está elevada, é um indicativo de infecção bacteriana. Neste sentido, quando o teste apontar positivo para procalcitonina significa que há uma grande probabilidade de exclusão da infecção por COVID-19. Quando negativo e aliado a outros exames, significa possibilidade de diagnóstico do vírus. No entanto, também é importante mostrar que os altos níveis de PCT também foram importantes para determinar coinfecção bacteriana com o Sars-Cov-2 e aumento na gravidade do quadro clínico.

Pegando o exemplo no diagnóstico da Covid-19, a PCT tem um papel importante na eliminação de quadros inflamatórios relacionados com infecção bacteriana, e deve sempre estar associada com outros parâmetros diagnósticos e clínicos. Existe uma gama de condições em que a identificação da PCT pode ser utilizada, como quadros de meningite, doenças gastrointestinais, renais, câncer e em casos de rejeição para transplante de órgãos. A dosagem rápida e nos pontos de cuidados, como pontos de emergência médica e acompanhamento de casos graves, como UTIs é de extrema importância na tomada de decisões para quadros clínicos que exijam cuidado.

O teste ichroma PCT é um imunoensaio fluorescente (FIA) para determinação quantitativa de Procalcitonina (PCT) em sangue total/soro/plasma humano já está disponível: veja em (link).

 

Referências:

Procalcitonin: Reference Range, Interpretation, Collection and Panels. 2017-03-09.

Dandona P, Nix D, Wilson MF, Aljada A, Love J, Assicot M, Bohuon C (December 1994). “Procalcitonin increase after endotoxin injection in normal subjects”. The Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism. 79 (6): 1605–8. doi:10.1210/jc.79.6.1605. PMID 7989463

Long SS, Pickering LK, Prober CG, eds. (2012). “Bacterial infections in the neonate”. Principles and Practice of Pediatric Infectious Diseases (4th ed.). Elsevier. ISBN 978-1437727029.

Centers for Disease Control and Prevention. 2021. Healthcare Workers. [online] Available at: <https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/clinical-guidance-management-patients.html#lab-findings> [Accessed 27 April 2021].

Schuetz P, Albrich W, Mueller B (September 2011). “Procalcitonin for diagnosis of infection and guide to antibiotic decisions: past, present and future”. BMC Medicine. 9: 107. doi:10.1186/1741-7015-9-107. PMC 3186747. PMID 21936959

Meisner M, Tschaikowsky K, Palmaers T, Schmidt J (1999). “Comparison of procalcitonin (PCT) and C-reactive protein (CRP) plasma concentrations at different SOFA scores during the course of sepsis and MODS”. Critical Care. 3 (1): 45–50. doi:10.1186/cc306